Inseminação artificial. Vacas

A utilização da inseminação artificial permite:

o melhoramento genético do rebanho em menor tempo e a um baixo custo, através da utilização de sêmen de reprodutores provados, geneticamente superiores para a produção de leite e carne;

o controle de doenças – pela monta natural, frequentemente o touro pode transmitir algumas doenças às vacas e vice-versa. o que pelo processo da inseminação artificial não ocorre;

touros com problemas adquiridos e impossibilitados de efetuarem a monta, em razão de idade avançada, afecções nos cascos, fraturas, aderência de pênis, artroses,etc, poderão ser utilizados na inseminação artificial;

evita acidentes com pessoal, os quais ocorrem comummente quando se trabalha com animais de temperamento agressivo;

aumenta o número de descendentes de um reprodutor. Sabe-se que um touro cobre a cada ano, a campo, cerca de 30 vacas. Em regime de monta controlada pode servir a um máximo de 100 fêmeas, a cada ano. Isso significa que considerando ser de de 10 anos a vida reprodutiva de um touro, teremos um total de 300 a 1000 filhos por animal, durante sua vida;

seguro genético – o sêmen desde que industrializado adequadamente e conservado em ótimas condições, não apresenta prazo de validade. Assim, podemos manter a viabilidade reprodutiva do reprodutor por um prazo muito superior ao seu tempo de vida;

aumenta o número de descendentes de um reprodutor – quando consideramos um doador de sêmen, necessariamente a quantidade de filhos gerados é muitas vezes maior do que se considerarmos um reprodutor que atua em monta natural. Por exemplo, se um reprodutor produzir 500 doses por dia, ele terá feito em um único dia de trabalho, mais filhos do que um reprodutor faria em uma vida inteira de monta natural;

a correção de deficiências no rebanho – através do acasalamento genético podemos corrigir várias deficiências do rebanho ao mesmo tempo, com a utilização de diversos touros em um mesmo trabalho de Inseminação Artificial. Desta forma, estaríamos atuando sobre as características individuais de cada matriz.